19 de set de 2016

*** FIM ***


Fico feliz que tenha gostado e que agora saiba ser exagero todo medo que foi criado.
Não pude te oferecer o maior conforto de todos, mas te ofereci a melhor das intenções. Se faltou caviar, me perdoe, espero ter compensado com sorrisos.
Aqui não fazemos muito caviar. Mas sorrimos como se pudéssemos comê-lo todos os dias.
Quando chegar em casa, se tossir, é mera mudança climática. Não se assuste, não é Zika.
Quando você quiser voltar, a palavra é “saudades”. Sei que não tem no mundo essa palavra, mas após vir aqui, tenho certeza que passará a fazer parte da sua vida e vocabulário.
Me desculpe pelas armas nas ruas, é que me disseram tanto que eu falharia que pedi todo reforço que pude para te proteger. Queria te ver feliz.
Sei que você não tem culpa nenhuma dos meus problemas e por isso te peço desculpas pelos filhos rebeldes e pouco inteligentes que acharam que descontando em você melhoraria alguma coisa. Quase imperceptível minoria, mas ainda assim, me desculpo.
Espero que tenha aprendido a sambar. Que em algum momento de irritação na sua viagem um dos nossos tenha lhe estendido a mão num inglês nada fluente mas cheio de boa fé.
A Gisele no começo? Sabe como é, a primeira impressão é a que fica… eu quis impressionar.
Eu espero que você tenha visto o sol se por. Espero que em algum momento aquela batucada tenha mexido com seus pés.  Que você tenha tido 15 dias para entender que o Cristo não está ali para dizer que somos religiosos, mas sim que estamos sempre como ele: de braços abertos.
Foi à Lapa? E a distante Barra da Tijuca? Lindo, né? É porque tu não viu Angra, Arraial do Cabo e Búzios, irmão…
Desculpa a bagunça. É que é muita gente, eu nunca tinha feito algo desse tamanho. Mas acho que no final saiu tudo certo.
Espero que quando o seu avião subir você olhe para trás com ternura e que saiba que nossas vaias não são contra vocês, mas em apoio aos nossos.  É nosso jeitinho debochado de torcer.
Obrigado pela confiança. Volte sempre que quiser, puder ou precisar. Se por acaso você se apaixonou, não sofre não. Acontece com todo mundo.
É que eu sou malandro, batuqueiro, casa da Mangueira e do Salgueiro. Faço sol o ano inteiro, vivo sorrindo e me orgulho de ser brasileiro.
Sou debochado, irresponsável e maneiro. Sou feliz, espero que você tenha gostado.
Muito prazer, eu sou o Rio de Janeiro.

Desconheço a autoria.


6 comentários:

  1. Excelente texto! Parabéns a quem o criou!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Que texto bonito!
    Classifica bem esse momento de despedida nostálgica. Apesar do país estar meio em época caótica, conseguiu-se fazer eventos muito bonitos né non?

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir

Blog da Polli. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design